O esquecimento é a arma mais letal do amor…

 

_DSC0401

By Kika Domingues

” (…) O esquecimento é a arma mais letal do amor, quem nos esquece é como se esquecesse de tudo o que fomos. Ou pior: que existimos. Quem ama e consegue esquecer é uma espécie de assassino: mata a realidade, apaga-a, revoga-a, transforma-a num pesadelo absurdo no qual somos obrigados a aprender outra vez a viver (…)” (Margarida Rebelo Pinto – Alma de pássaro)

Tudo é tão comum sem ter você…

Toninho Horta & Grupo Cobra Coral

 

Quadros Modernos

Pode ser
Flores de Monet
Mar de girassóis
Tudo é tão comum
Sem ter você
Pode ser
Tela de Guignard
Sol de Renoir
Cores de cristal iluminando o dia
Pode ser
Filme de Godard
Torres de Gaudi
Um desenho a giz
Vou ser feliz
Pode ser
E que seja assim
Se é pra sonhar
Não seja no fim

Pode ser
Chuva da manhã
Curvas de Rodin
Tudo é tão comum
Sem ter você
Pode ser
Sonhos de Dali
Traços de Miró
Só a sua luz me ilumina a vida
Pode ser
O Abaporu
Portinari azul
Tudo é tão igual
É tão comum
Pode ser o que imaginar
Sem você aqui
Só resta sonhar

Saudade

Mindscape

julie de waroquier – Portraits

 

Inda que eu me feche
E jure nunca mais te ver
Tens o meu segredo
E a chave que me abre em teu poder
Sabes como entrar
Por onde vir
Por que não aprendes a sai de mim?
Inda que eu a seque
A fonte volta a murmurar
Contra a correnteza
Sou tão fraco
Não posso nadar
Tuas águas me levando assim
Cada vez mais
Pra longe de mim
Tuas águas me levando assim
Cada vez mais
Pra longe de mim
Inda que eu apague
O fogo volta a se acender
E esta saudade
Esta vontade de te ver
Tua chama vai queimando assim
O pouco de paz que existe em mim

Saudade – Jane Duboc