Porque o céu perdeu a cor…

 

Porque cada manhã me traz
O mesmo sol sem resplendor
E o dia é só um dia a mais
E a noite é sempre a mesma dor
Porque o céu perdeu a cor
E agora em cinzas se desfaz

Porque eu já não posso mais
Sofrer a mágoa que sofri
Porque tudo que eu quero é paz
E a paz só pode vir de ti

Porque meu sonho se perdeu
E eu sempre fui um sonhador
Porque perdidos são meus ais
E foste para nunca mais

Oh, meu amor
Porque minha canção morreu
No apelo mais desolador
Porque a solidão sou eu
Ah, volta aos braços meus, amor

Canção Em Modo Menor
Tom Jobim

 

“Composta por Antonio Carlos Jobim e Vinícius de Moraes, “Canção em Modo Menor” foi lançada originalmente em 1962. Ganha uma nova interpretação de mais puro sentimento na voz de Paula Morelenbaum, com Jaques Morelenbaum (celo) e Ryuichi Sakamoto (piano). O álbum chama-se “Casa”, lançado em 2001 com o selo WEA.”

(via youTube)

 

 

O esquecimento é a arma mais letal do amor…

 

_DSC0401

By Kika Domingues

” (…) O esquecimento é a arma mais letal do amor, quem nos esquece é como se esquecesse de tudo o que fomos. Ou pior: que existimos. Quem ama e consegue esquecer é uma espécie de assassino: mata a realidade, apaga-a, revoga-a, transforma-a num pesadelo absurdo no qual somos obrigados a aprender outra vez a viver (…)” (Margarida Rebelo Pinto – Alma de pássaro)

“E um império, dois rios e mais um continente… Que era meu…”

Flor de Maio - Foto Kika Domingues

A arte de perder

A arte de perder não é nenhum mistério;

Tantas coisas contêm em si o acidente
De perdê-las, que perder não é nada sério.

Perca um pouquinho a cada dia.
Aceite, austero, A chave perdida,a hora gasta bestamente.

A arte de perder não é nenhum mistério.
Depois perca mais rápido, com mais critério:
Lugares, nomes, a escala subseqüente Da viagem não feita.
Nada disso é sério.

Perdi o relógio de mamãe.

Ah! E nem quero Lembrar a perda de três casas excelentes.
A arte de perder não é nenhum mistério.

Perdi duas cidades lindas.
E um império Que era meu, dois rios, e mais um continente.

Tenho saudade deles.
Mas não é nada sério.

– Mesmo perder você (a voz, o riso etéreo que eu amo) não muda nada.
Pois é evidente que a arte de perder não chega a ser mistério por muito que pareça (Escreve!) muito sério

(Elisabeth Bishop)