O esquecimento é a arma mais letal do amor…

 

_DSC0401

By Kika Domingues

” (…) O esquecimento é a arma mais letal do amor, quem nos esquece é como se esquecesse de tudo o que fomos. Ou pior: que existimos. Quem ama e consegue esquecer é uma espécie de assassino: mata a realidade, apaga-a, revoga-a, transforma-a num pesadelo absurdo no qual somos obrigados a aprender outra vez a viver (…)” (Margarida Rebelo Pinto – Alma de pássaro)

Saudade

Mindscape

julie de waroquier – Portraits

 

Inda que eu me feche
E jure nunca mais te ver
Tens o meu segredo
E a chave que me abre em teu poder
Sabes como entrar
Por onde vir
Por que não aprendes a sai de mim?
Inda que eu a seque
A fonte volta a murmurar
Contra a correnteza
Sou tão fraco
Não posso nadar
Tuas águas me levando assim
Cada vez mais
Pra longe de mim
Tuas águas me levando assim
Cada vez mais
Pra longe de mim
Inda que eu apague
O fogo volta a se acender
E esta saudade
Esta vontade de te ver
Tua chama vai queimando assim
O pouco de paz que existe em mim

Saudade – Jane Duboc

benditos os que te amaram…

dsc_0025b

Kika Domingues by Fábia Domingues – RN – Natal

A mulher e seu passado

Benditos teu pai e tua mãe; benditos os que te amaram e os que te maltrataram; bendito o artista que te adorou e te possuiu, e o pintor que te pintou nua, e o bêbedo de rua que te assustou, e o mendigo que disse uma palavra obscena; bendita a amiga que te salvou e bendita a amiga que te traiu; e o amigo de teu pai que te fitava com concupiscência quando ainda eras menina; e a corrente do mar que te ia arrastando; e o cão que uivava a noite inteira e não te deixou dormir; e o pássaro que amanheceu cantando em tua janela; e a insensata atriz inglesa que de repente te beijou na boca; e o desconhecido que passou em um trem e te acenou adeus; e teu medo e teu remorso e a primeira vez que traíste alguém; e a volúpia com que o fizeste; e a firme determinação, e o cinismo tranquilo, e o tédio; e a mulher anônima que te vociferou insultos pelo telefone; e a conquista de ti por ti mesma, para ti mesma; e os intrigantes do bairro que tentaram te envolver em suas teias escuras; e a porta que se abriu de repente sobre o mar; e a velhinha de preto que ao te ver passar disse: ‘moça linda…’; bendita a chuva que tombou de súbito em teu caminho, e bendito o raio que fez saltar teu cavalo, e o mormaço que te fez inquieta e aborrecida, e a lua que te surpreendeu nos braços de um homem escuro entre as grandes árvores azuis. Bendito seja todo o teu passado, porque ele te fez como tu és e te trouxe até mim. Bendita sejas tu.
Rubem Braga.