o sentimento do mundo… o sal da terra

Rafa Gomes interpretando “Sal da Terra” de autoria de Beto Guedes e Ronaldo Bastos

Clipe do filme “A menina Índigo”. Você já viu?

Anda!
Quero te dizer nenhum segredo
Falo desse chão, da nossa casa
Vem que tá na hora de arrumarTempo!
Quero viver mais duzentos anos
Quero não ferir meu semelhante
Nem por isso quero me ferir

Vamos precisar de todo mundo
Pra banir do mundo a opressão
Para construir a vida nova
Vamos precisar de muito amor
A felicidade mora ao lado
E quem não é tolo pode ver

A paz na Terra, amor
O pé na terra
A paz na Terra, amor
O sal daTerra!
És o mais bonito dos planetas
Tão te maltratando por dinheiro
Tu que és a nave nossa irmã

Canta!
Leva tua vida em harmonia
E nos alimenta com seus frutos
Tu que és do homem, a maçã

Vamos precisar de todo mundo
Um mais um é sempre mais que dois
Pra melhor juntar as nossas forças
É só repartir melhor o pão
Recriar o paraíso agora
Para merecer quem vem depois

Deixa nascer, o amor
Deixa fluir, o amor
Deixa crescer, o amor
Deixa viver, o amor
O sal da terra

Compositores: Ronaldo Bastos / Beto Guedes

Fotografia, café e poesia… Paz…

Marco Zero (Recife Antigo) – café são braz
by Kika Domingues

Vagando entre o sonho e a realidade,
mergulho os pensamentos
na xícara de café,
quebro uma casquinha de pão nos dentes
no lirismo das 4 da tarde.

A cafeteria num ponto mágico
me traz a luz da rua
e a energia vital
desprendida das coisas paradas,
é como se eu pudesse ver
as verdades alheias.

Movimento da rua
feito de passos largos
e um homem inerte
que capturo com o olhar
em silêncio num banco,
momento que pressinto
paz e calmaria.

Mergulho os olhos na
xícara de café
imóvel
a colher move
meus olhos parados…

A xícara e o café
de um se faz o outro
eternos…
Encanto que me tira
a pressa
e me faz desperta e atenta,
apaziguada e viva.

Ao redor da xícara de café,
há uma folha mágica,
de onde os versos emergem
e oculta a realidade,
provocando minha alma
para contar minha história:
a fala do silêncio,
de quem caminha…

Rosemary Chaia

viver no afeto…

Muro Alto – Ipojuca – Pernambuco – 30/ dez/ 1990 autorretrato

Há de ser leve
Um levar suave
Nada que entrave
Nossa vida breve
Tudo que me atreve

A seguir de fato
O caminho exato
Da delicadeza
De ter a certeza
De viver no afeto
Só viver no afeto

Lenine ( leve e suave)