livre pra navegar

Voz : Arnaldo Antunes

Piano: Victor Araújo

Peço por favor
Se alguém de longe me escutar
Que venha aqui pra me buscar
Me leve para passear

No seu disco voador
Como um enorme carrossel
Atravessando o azul do céu
Até pousar no meu quintal

Se o pensamento duvidar
Todos os meus poros vão dizer
Estou pronto para embarcar
Sem me preocupar e sem temer

Vem me levar
Para um lugar
Longe daqui
Livre para navegar
No espaço sideral
Porque sei que sou

Semelhante de você
Diferente de você
Passageiro de você
À espera de você

No seu balão de São João
Que caia bem na minha mão
Ou numa pipa de papel
Me leve para além do céu

Se o coração disparar
Quando eu levantar os pés do chão
A imensidão vai me abraçar
E acalmar a minha pulsação

Longe de mim
Solto no ar
Dentro do amor
Livre para navegar
Indo para onde for
O seu disco voador

Fonte: Musixmatch

Compositores: Freitas Antonio Carlos Santos De / Antunes Arnaldo / Monte Marisa

amore…

Aquela música que você ouve e pensa; “se eu morresse agora, morreria feliz…” Um arranjo belíssimo da música “Amore”; ouça alto e bom som, vale a pena:)

Sim! Pra saber mais sobre a obra de Ryuichi Sakamoto, siga seu canal no YouTube

Pai filha e a música

 

Paul Barton – 20 musical moments at the piano with our daughter Emilie from baby to 5-years-old. Many of the pieces below can be heard in full on this channel with sheet music linked in the video description. Copy/paste the title of the work in the channel search box.

Excerpts of featured music in order

1) Samuel Barber “Adagio for Strings” 2) Bach/Siloti “Prelude in B Minor” 3) Michael Nyman “Candlefire” 4) Brahms “Lullaby” 5) Michael Nyman “Diary of Love” 6) Liadov “Music Box” 7) Michael Nyman “If” 8) Mancini “Moon River” 9) Liadov “Music Box” 10) Michael Nyman “Sheep and Tides” 11) Ravel “Concerto for Left Hand” 12) Shostakovich “Lyric Waltz” 13) Saint-Saens “Aquarium” 14) Mancini “Moon River” 15) Ravel “Concerto in G” 16) Marcello/Bach “Adagio” 17) Marcello/Bach “Adagio” 18) Beethoven “Sonata No.32” 19) Mancini “Moon River” 20) Mancini “Moon River”

o sentimento do mundo… o sal da terra

Rafa Gomes interpretando “Sal da Terra” de autoria de Beto Guedes e Ronaldo Bastos

Clipe do filme “A menina Índigo”. Você já viu?

Anda!
Quero te dizer nenhum segredo
Falo desse chão, da nossa casa
Vem que tá na hora de arrumarTempo!
Quero viver mais duzentos anos
Quero não ferir meu semelhante
Nem por isso quero me ferir

Vamos precisar de todo mundo
Pra banir do mundo a opressão
Para construir a vida nova
Vamos precisar de muito amor
A felicidade mora ao lado
E quem não é tolo pode ver

A paz na Terra, amor
O pé na terra
A paz na Terra, amor
O sal daTerra!
És o mais bonito dos planetas
Tão te maltratando por dinheiro
Tu que és a nave nossa irmã

Canta!
Leva tua vida em harmonia
E nos alimenta com seus frutos
Tu que és do homem, a maçã

Vamos precisar de todo mundo
Um mais um é sempre mais que dois
Pra melhor juntar as nossas forças
É só repartir melhor o pão
Recriar o paraíso agora
Para merecer quem vem depois

Deixa nascer, o amor
Deixa fluir, o amor
Deixa crescer, o amor
Deixa viver, o amor
O sal da terra

Compositores: Ronaldo Bastos / Beto Guedes

Fotografia, café e poesia… Paz…

Marco Zero (Recife Antigo) – café são braz
by Kika Domingues

Vagando entre o sonho e a realidade,
mergulho os pensamentos
na xícara de café,
quebro uma casquinha de pão nos dentes
no lirismo das 4 da tarde.

A cafeteria num ponto mágico
me traz a luz da rua
e a energia vital
desprendida das coisas paradas,
é como se eu pudesse ver
as verdades alheias.

Movimento da rua
feito de passos largos
e um homem inerte
que capturo com o olhar
em silêncio num banco,
momento que pressinto
paz e calmaria.

Mergulho os olhos na
xícara de café
imóvel
a colher move
meus olhos parados…

A xícara e o café
de um se faz o outro
eternos…
Encanto que me tira
a pressa
e me faz desperta e atenta,
apaziguada e viva.

Ao redor da xícara de café,
há uma folha mágica,
de onde os versos emergem
e oculta a realidade,
provocando minha alma
para contar minha história:
a fala do silêncio,
de quem caminha…

Rosemary Chaia

viver no afeto…

Muro Alto – Ipojuca – Pernambuco – 30/ dez/ 1990 autorretrato

Há de ser leve
Um levar suave
Nada que entrave
Nossa vida breve
Tudo que me atreve

A seguir de fato
O caminho exato
Da delicadeza
De ter a certeza
De viver no afeto
Só viver no afeto

Lenine ( leve e suave)

“Quanto espaço há na memória pra você não me esquecer?”

Quanto tempo leva na tua história pra uma história acontecer? Quanto espaço há na memória pra você não me esquecer? Como toda chuva molha meu beijo vai te aquecer Se da ponta dos teus dedos outra flor aparecer Quantas cores tem teu paraíso se tua foto é em pb? E se o filme é colorido como não vou me perder Num sorriso tão bonito como o que acabo de ver? Se você sorrir de novo não consigo mais correr Fecho os olhos pra não ver Vejo e faço outra canção E nessa canção há flores Como as flores de outrora Do meu coração saem flores Que eu vou te entregar agora E nas suas mãos mais flores Desenhe um jardim sem demora Que eu vou levar amores pra você plantar E com beijos vou te pintar da azul Quanto tempo leva na tua história pra uma história acontecer? Quanto espaço há na memória pra você não me esquecer? Como toda chuva molha meu beijo vai te aquecer Se na ponta dos teus dedos outra flor aparecer Não consigo mais correr Fecho os olhos pra não ver Vejo e faço outra canção.

 

Leo Fressato é compositor desde os 14 anos. Começou a escrever sobre amor ainda mais cedo, aos 10 anos de idade, quando, pela perimeira vez, se apaixonou. E, até hoje, assim são as canções de Leo Fressato: um tratado sobre o amor. Entre folhas de outono e invernos rigorosos brotam flores nas canções do rapaz. É preciso que o inverno passe (e que passe depressa). E, para que isso aconteça, Leo brinca. Oras de ser veludo, para tecer delicadeza; oras de ser espinho e sangrar a canção com os gritos de dor dos amores mal fadados. Leo Fressato é feito de flores e de veias saltadas no pescoço. http://www.leofressato.com.br/

A apaixonante poesia de Matilde Campilho – Fevereiro

 

Escute só, isto é muito sério. Anda, escuta que isso é sério! O mundo está tremendamente esquisito. Há dez anos atrás o Leon me disse que existe uma rachadura em tudo e que é assim que a luz entra, não sei se entendi. Você percebe alguma coisa da mistura entre falhas e iluminação?  Aliás, me diga, você percebe alguma coisa de carpintaria? Você sabe por que meteram um boi naquele estábulo ao invés de um pequeno rinoceronte? Deve ter tido alguma coisa a ver com a geografia. Ou com os felizmente insolussionáveis mistérios que só podem vir do misticismo asiático. Um boi é um bicho tão… inexplicável. Ainda bem. O amor é um animal tão mutante, com tantas divisões possíveis. Lembra daqueles termômetros que usávamos na boca quando éramos pequenininhos? Lembra da queda deles no chão?  Então, acho que o amor quando aparece é em tudo semelhante à forma física do mercúrio no mundo. Quando o vidro do termômetro se quebra, o elemento químico se espalha e então ele fica se dividindo pelos salões de todas as festas. Mercúrio se multiplicando. Acho que deve ser isso uma das cinco mil explicações possíveis para o amor. Ah é! Eu gosto de você. A luz entrou torta por nós a dentro, mas, olha, eu gosto de você! A luz do verão passado quebrou o vidro da melancolia e agora ela fica se expandindo pelas ruas todas. Desde aquele outro lado do Sol até esse tremendo agora.  Hoje ainda faz bastante frio. As cinzas ainda não aterraram sobre as cabeças disfarçadas, tem gente batucando suor e cerveja pelas ruas de nossa cidade sul. Na cidade norte, há ondas de sete metros tentando acertar no terceiro olho dos rapazinhos disfarçados de cowboys. [suspiro] O mestre ainda não veio decretar o começo da abstenção e, olha, a luz ainda está conosco. Sim, o mundo está absurdamente esquisito. Já ninguém confia nas imposições dos prefeitos, a esta hora na terra é um tanto carnaval, um tanto conspiração, um tanto medo. Metade fé, metade folia, metade desespero. E, provavelmente, a esta hora, uma metade do mundo está vencendo e a outra metade dormindo, há ainda outra metade limpando as armas, outra limpando o pó das flores. Mas,  por causa do que me ensinou o místico, eu acredito que exista, agora, alguém profundamente acordado. Alguém que esteja vivendo entre o intervalo tênue entre o sonho e a agilidade. Suponho que ele saiba perfeitamente que este começo de século será nosso batismo do voô para nossa persistência no amor.João molhou a testa de Manuel. Os gritos das ruas molham as testas de nossos corações.  De que lado você está, eu não me importo! De que garfo você come, de que copo você bebe, que posto certo você escolhe, qual é seu orixá, seu partido, sua altura, de qual de suas cicatrizes cuida, que pássaro você prefere, quem é seu pai, qual é seu samba, Pinot noir ou Chardonay, que protetor você usa,  qual é sua pele, seu perfume, qual político, quantos amores você sonha, em que Fernando, em que Ofélia, em que cinema, em que bandeira, em que cabelo você mora, qual dos túneis de Copacabana. Rezo para seus santos quando atravessar. É… é impossível viver no país de Deus. Isso eu te dou de barato. Mas, atravessar o gramado de Deus em bicicleta, isso não é impossível, não. Escuta, isso é sério! Andamos crescendo juntos, distraidamente. As árvores crescem conosco. Nossa pele se estende, nosso entendimento, teso, também. O século cresce conosco. O amor pelas ventas da cara do mundo, também. Quanto a um pra um entre nós dois, isso logo se vê. Não sei nada sobre a paixão, suspeito que você também não. Mas, começo a entender que o compasso da fé está mudando a passos largos. Dois pra lá e dois pra cá. Portanto, escute. Isto é muito serio! Isto é uma proposta aos trinta anos. Agora que o mercúrio assumiu sua posição certa, vem comigo achar o meu trono mágico entre a folhagem. E, no caminho até lá, vem dançar comigo, vem!

 

Mais sobre Matilde Campilho :))

 

957436

Trio Amaranto e Orquestra de Câmara de Ouro Branco – não deixe de ouvir…

E aí, numa quinta feira Santa você descobre esse trabalho mais recente do Trio Amaranto, sublime, poético e! Só nos resta alimentar o espírito com o que há de mais sublime e divino, a música :))

 

    Link para a Parte 2, imperdível

Making Of

Pesquise sobre esse maravilhoso grupo e tenha surpresas  lindas e mais lindas

Paraíso se mudou para lá…

Laura

By Kika Domingues – 2018

 

 Presta atenção a essa letra que nos leva as várias “leituras” :))

 

 

VILAREJO

Marisa Monte/Pedro Baby/Carlinhos Brown/Arnaldo Antunes

 

Há um vilarejo ali

Onde areja um vento bom

Da varanda quem descansa

Vê o horizonte deitar no chão

Pra acalmar o coração

Lá o mundo tem razão

Terra de heróis, lares de mãe

Paraíso se mudou para lá

Por cima das casas cal

Frutas em qualquer quintal

Peitos fartos, filhos fortes

Sonhos semeando o mundo real

Toda a gente cabe lá

Palestina Shangri-lá

Vem andar e voa

Vem andar e voa

Vem andar e voa

Lá o tempo espera

Lá é primavera

Portas e janelas ficam sempre abertas

Pra sorte entrar

Em todas as mesas pão

Flores enfeitando

Os caminhos, os vestidos, os destinos

E esta canção

Tem um verdadeiro amor

Para quando você for

Vem andar e voa

Vem andar e voa

Vem andar e voa

Vem andar e voa

 

 

Ouça interpretações especialíssimas

 

 

 

 

100 anos do TOM :))

Dedicados à obra de Antonio Carlos Jobim já lançados, os CDsJobim Jazz (2007) e + Jobim Jazz (2011), o violonista, arranjador e produtor Mario Adnet apresentou arranjos jazzísticos para canções menos óbvias do maestro, selecionadas a partir de pesquisas na riquíssima obra de Tom Jobim. Vale a pena assistir todos os vídeos desse lindo projeto musical.

Tom, que Deus o tenha em um lugar maravilhoso!

… sempre cantando mais, mais…

Canta, canta
Sente a beleza
Canta, canta
Esquece a tristeza
Tanta, tanta
Tanta tristeza
Canta

Canta
Quem canta o mal espanta
Vai sempre cantando mais, mais
Canta pra não chorar

Canta, canta
Canta, vai, vai
Segue cantando em paz
Canta, canta
Canta mais

Canta, Canta Mais
Tom Jobim

 

Ouça outras interpretações

Nova Banda (Voz / Instrumentos)

Vânia Bastos

 

 

Marina Colasanti e Ivan Lins

mar3

By Kika Domingues

Acqua Marcia
(Ivan Lins e Marina Colasanti)

Em todo lugar sou estrangeira
Menos na minha casa
E mesmo na minha casa
Nenhum habitante sabe
Que o gosto justo da água
É aquele daquela água
Que em minha terra se bebe
(Ivan Lins e Marina Colasanti)

Para ouvir

Hoje é dia da Poesia… Tom Jobim

Eu amo poesia, música e fotografia…

Tom, poeta e músico, cantou uma história…  “a meia luz”

Uma linda cena aonde ao mesmo tempo em que o sol se põe a lua nasce…

Fotografia :))

E viva a poesia!

Paula Morelenbaum, Jaques Morelenbaum & Ryuichi Sakamoto – Fotografia (Photograph) by Antonio Carlos Jobim

-uploaded in HD at http://www.TunesToTube.com

Só com muito espaço… Luiz Tatit

FELIZ-COM-A-VIDA_planejar-felicidade

Luiz Tatit – Felicidade (1997)

Não sei porque estou tão feliz
Não há motivo algum pra ter tanta felicidade
Não sei o que que foi que eu fiz
Se fui perdendo o senso de realidade
Um sentimento indefinido
Foi me tomando ao cair da tarde
Infelizmente era felicidade
Claro que é muito gostoso
Claro que eu não acredito
Felicidade assim sem mais nem menos
É muito esquisito!

Não sei porque estou tão feliz
Preciso refletir um pouco e sair do barato
Não posso continuar assim feliz
Como se fosse um sentimento inato
Sem ter o menor motivo
Sem uma razão de fato
Ser feliz assim é meio chato

As coisas nem vão muito bem
Perdi o dinheiro que tinha guardado
E pra completar depois disso
Eu fui despedido estou desempregado
Amor que sempre foi meu forte
Não tenho tido muita sorte
Estou sozinho sem saída
Sem dinheiro sem comida
E feliz da vida

Não sei porque estou tão feliz
Vai ver que é pra esconder no fundo uma infelicidade
Pensei que fosse por aí
Fiz todas terapias que têm na cidade
A conclusão veio depressa
Sem nenhuma novidade
Meu problema era felicidade
Nem fiquei desesperado
Fui até‚ bem razoável
Felicidade quando é no começo
Ainda é controlável

Não sei o que que foi que eu fiz
Pra merecer estar radiante de felicidade
Mais fácil ver o que eu não fiz
Fiz muito pouca coisa aqui pra minha idade
Não me dediquei a nada
Tudo eu fiz pela metade
Por que então tanta felicidade?

Dizem que só penso em mim
Sou muito centrado
Que sou egoísta
Tem gente que põe meus defeitos
Em ordem alfabética
E faz uma lista
Por isso não se justifica
Tanto privilégio de felicidade
Independente dos deslizes
Dentre todos os felizes
Sou o mais feliz
Não sei porque estou tão feliz

E já nem sei se é necessário ter um bom motivo
A busca de uma razão
Me deu dor de cabeça
Acabou comigo
Enfim eu já tentei de tudo
Enfim eu quis ser conseqüente
Mas desisti
Vou ser feliz pra sempre
Peço a todos: com licença!
Vamos liberar o pedaço
Felicidade assim desse tamanho
Só com muito espaço

Luiz Tatit

DO QUE SE CHAMA LIBERDADE…

Colagem by Kika Domingues

Colagem by Kika Domingues

Do que se chama liberdade…

A fotografia está para a arte assim como a arte está para a poesia, a música, a pintura, a escultura; está para todas as formas de expressão. Eu amo, acredito, observo e respeito todas as formas de expressão. Se quiser se sentir feliz, completo, pleno (todos sabemos que a felicidade plena é uma utopia, quando você olha a realidade do outro ou de si mesmo), aprenda a trabalhar o lúdico que existe em você. Se você consegue o pão de cada dia com arte, sinta-se privilegiado. Agradeça! Não acredito e nem quero aceitar nenhuma verdade como absoluta. Eu acredito no trabalho duro e honesto; também acredito na união e na divisão do ar que paira sobre as nossas cabeças. Que venha técnicas, saberes e olhares diferentes, ao contrário disso o mundo não teria o menor sentido, a menor graça! Eu acredito na arte e quero acreditar no ser humano. “O mundo é grande e cabe” (Já dizia Drummond) todo mundo (digo eu). A arte está para o homem assim como a liberdade está para todos, assim como Antônio Carlos Jobim “fez” uma fotografia usando a música e a poesia. (ahh mas foi ele que fez a música! mas eu acho lindo a Gal cantando).

Existe vida lá fora e isso não é tudo!

Kika Domingues

O AMOR É A MELHOR COISA DESTE MUNDO… I HAVE THE LOVE – Simply Red

Vídeo

Essa música é tema de uma história de amor que acontece na novela “Amor à Vida”. Os protagonistas desse belo enredo são Nathalia Timberg e Ary Fontoura: “Nós jamais perdemos o direito de amar”, afirma Lutero ao se declarar para sua amada. O sentimento é recíproco e traz junto com ele todas as emoções que o amor oferece a quem se permite vivê-lo!

Que música lindaaa! Que história linda…

lutero-e-bernarda

Afinal? o que será essa tal FELICIDADE?!… Moraes Moreira (Pão e Poesia)

Trilha por Triunfo -Pernambuco - Kika e crianças por Luciene

Pão e Poesia

Moraes Moreira

Felicidade é uma cidade pequenina
é uma casinha é uma colina
qualquer lugar que se ilumina
quando a gente quer amar

Se a vida fosse trabalhar nessa oficina
fazer menino ou menina, edifício e maracá
virtude e vício, liberdade e precipício
fazer pão, fazer comício, fazer gol e namorar

Se a vida fosse o meu desejo
dar um beijo em teu sorriso, sem cansaço
e o portão do paraíso é teu abraço
quando a fábrica apitar

Felicidade é uma cidade pequenina
é uma casinha é uma colina
qualquer lugar que se ilumina
quando a gente quer amar

Numa paisagem entre o pão e a poesia
entre o quero e o não queria
entre a terra e o luar
não é na guerra, nem saudade nem futuro
é o amor no pé do muro sem ninguém policiar

É a faculdade de sonhar é uma poesia
que principia quando eu paro de pensar
pensar na luta desigual, na força bruta, meu amor
que te maltrata entre o almoço e o jantar

Felicidade é uma cidade pequenina
é uma casinha é uma colina
qualquer lugar que se ilumina
quando a gente quer amar

O lindo espaço entre a fruta e o caroço
quando explode é um alvoroço
que distrai o teu olhar
é a natureza onde eu pareço metade
da tua mesma vontade
escondida em outro olhar

E como o doce não esconde a tamarinda
essa beleza só finda
quando a outra começar
vai ser bem feito nosso amor daquele jeito
nesse dia é feriado não precisa trabalhar

Pra não dizer que eu não falei da fantasia
que acaricia o pensamento popular
o amor que fica entre a fala e a tua boca
nem a palavra mais louca, consegue significar: felicidade

Felicidade é uma cidade pequenina
é uma casinha é uma colina
qualquer lugar que se ilumina
quando a gente quer amar

Clique para ouvir a melhor interpretação dessa poesia de Moraes Moreira

https://www.youtube.com/watch?v=Di3U6tZ7O9E