Acho que fiz tudo do jeito melhor, meio torto, talvez, mas tenho tentado da maneira mais bonita que sei [Caio F. Abreu]

Hibiscos ao sol  - Foto Kika Domingues

Hibiscos ao sol – Foto Kika Domingues

A vida é estranha, ou será que somos nós os estranhos na vida? Errando, errando e buscando coisas que nem sabemos o que é. Como se houvesse uma necessidade de não estar parado, e às vezes por esse motivo procurando nos encontrar, caminhamos até nos perder. Autoconhecimento é algo que eu não quero ter nunca, – me enlouqueceria – já me basta saber que estou aqui, que vivo e amo. Me satisfaz saber que o amor cabe em tudo, em tudo que sou, pois ao contrário de mim o amor nunca morre.

http://carolineprates.blogspot.com.br/

Uma homenagem ao Ivan Lins que veio a minha cidade hoje…

E eu não sabia… Estou muito triste…

Depois dos Temporais - Foto Kika Domingues

Depois dos Temporais – Foto Kika Domingues

Depois dos temporais

Ivan Lins

Sempre viveram no mesmo barco
Foram farinha do mesmo saco
Da mesma marinha, da mesma rainha
Sob a mesma bandeira
Tremulando no mastro
E assim foram seguindo os astros
Cortaram as amarras e os nós
Deixando pra trás o porto e o cais
Berrando até perder a voz
Em busca do imenso,
Do silêncio mais intenso
Que está depois dos temporais

E assim foram seguindo em frente
Fazendo amor pelos sete mares
Inchando a água de alga e peixe
Seguindo os ventos
As marés e as correntes
O caminho dos golfinhos
A trilha das baleias
E não havia arrecifes
Nem bancos de areia
Nem temores, nem mais dores
Não havia cansaço
Só havia, só havia azul e espaço

http://www.youtube.com/watch?feature=player_embedded&v=4rdaVBBEltA

I Exposição Coletiva PFC – Tributo a Henri Cartier-Bresson

Convite Exposição Coletiva PFC

Convite Exposição Coletiva PFC

——————-

°

Fotógrafos ( Profissionais e Amadores) pertencentes ao Pernambuco Foto Clube – PFC
sonharam fazer uma exposição fotográfica.
 
Uma amiga e participante deste grupo,  a Sonia Cortez,  saiu em busca de um espaço para realizar este sonho.
A Livraria Cultura da nossa cidade ( a grande patrocinadora deste evento)
comprou a ideia e o Projeto ganhou forma!
 
Somado a tudo isso,  iniciativas e ações de outros membros deste Clube, que,
por amor a fotografia, se cotizaram e se engajaram no projeto com muita fé  e compromisso,
tornando-o possível; realizável!
  
Destaco ainda o empenho e dedicação na  logística que envolve um evento desse porte,
que também vem sendo desenvolvido pela Sonia Cortez, sem a qual, nada estaria se concretizando.
 
Não podemos deixar de citar as empresas que nos apoiaram como:
 
Teclab
Tempus Filmes
Alpha Gráfica ,
Ilha da Tecnologia ,
Luzia e Lucienne Doces e Salgados,
 
bem como a importante contribuição da nossa Curadora, a Profª Renata Victor,
Coordenadora do Curso de Fotografia da Universidade Católica de PE.
 
Em nome da Administração do Pernambuco Foto Clube – PFC, 
Ana Caula , Francisco Cribari e Lamartine Teixeira.
convido amigos, familiares  e amantes da fotografia para a Abertura da I Exposição Coletiva 
de Fotografia do PFC, a ser realizada no período de 7 de novembro a 7 de dezembro.
 
 
 
O convite fala mais sobre tudo.
 
 
 
 
http://www.pernambucofotoclube.com.br/
 
 
http://www.flickr.com/groups/pernambucofotoclube/pool/
 
 
 
Curta a  página do nosso evento no Facebook!
http://www.facebook.com/pfcbresson
 
confira o evento na Página da Livraria Cultura:
 
http://www.livrariacultura.com.br/scripts/eventos/resenha/resenha.asp?sid=01614423314101731038802725&nevento=29763
 
 
 
 
 

PRECISO…

 

 

Cada tempo em seu lugar - Foto - Kika Domingues

Cada tempo em seu lugar – Foto – Kika Domingues

 

Preciso refrear um pouco o meu desejo de ajudar
Não vou mudar um mundo louco dando socos para o ar
Não posso me esquecer que a pressa
É a inimiga da perfeição
Se eu ando o tempo todo a jato, ao menos
Aprendi a ser o último a sair do avião

Preciso me livrar do ofício de ter que ser sempre bom
Bondade pode ser um vício, levar a lugar nenhum
Não posso me esquecer que o açoite
Também foi usado por Jesus
Se eu ando o tempo todo aflito, ao menos
Aprendi a dar meu grito e a carregar a minha cruz

Ô-ô, ô-ô
Cada coisa em seu lugar
Ô-ô, ô-ô
A bondade, quando for bom ser bom
A justiça, quando for melhor
O perdão:
Se for preciso perdoar

Agora deve estar chegando a hora de ir descansar
Um velho sábio na Bahia recomendou: “Devagar”
Não posso me esquecer que um dia
Houve em que eu nem estava aqui
Se eu ando por aí correndo, ao menos
Eu vou aprendendo o jeito de não ter mais aonde ir

Ô-ô, ô-ô
Cada tempo em seu lugar
Ô-ô, ô-ô
A velocidade, quando for bom
A saudade, quando for melhor
Solidão:
Quando a desilusão chegar

Cada Tempo Em Seu Lugar

Gilberto Gil

http://www.youtube.com/watch?v=DZHw6RiAa74&feature=related

DO JEITO QUE A GENTE ERA…

 

 

As lembranças iluminam as esquinas da minha mente

Lembranças nebulosas pintadas em aquarela

Do jeito que a gente era

Imagens despedaçadas de sorrisos que deixamos para trás

Sorrisos que demos um para o outro

Pelo jeito que a gente era

Pode ser que tudo tenha sido tão simples então

Ou foi o tempo que reescreveu cada linha

Se a tivéssemos a chance de fazer tudo de novo

Me diga, a gente faria? A gente poderia?

As lembranças podem ser maravilhosas e ainda assim

O que é doloroso demais para recordar

Simplesmente escolhemos esquecer

Portanto é do riso que recordaremos

Sempre que lembrarmos como éramos

Do jeito que a gente era

MEUS AMIGOS APAIXONADOS POR FOTOGRAFIA…

VII Saída Fotográfica – Serra Negra –  Bezerros – PE

O Pernambuco Foto Clube é um grupo pernambucano

nascido no Facebook para todos aqueles que amam a Fotografia.

O objetivo do grupo é incentivar a livre troca de ideias

sobre fotografia em seus mais variados aspectos.

°° 0 °°

Lindo video carinhosamente editado pelo

nosso querido e competentíssimo Wolfgang Besche

“…TODO HOMEM É UM PEDAÇO DO CONTINENTE…”

Nenhum homem é uma ilha, completa em si mesma;

todo homem é um pedaço do continente, uma parte de terra firme.

Se um torrão de terra for levado pelo mar, a Europa fica menor,

como se tivesse perdido um promontório, ou perdido,

ou perdido o solar de um teu amigo, ou o teu próprio.

A morte de qualquer homem diminui a mim,

porque na humanidade me encontro envolvido;

por isso, nunca mandes indagar por quem os sinos dobram;

eles dobram por ti.

(John Donne)

 

http://www.youtube.com/watch?feature=player_embedded&v=A2VheRv1SSU

O DOCE OLHAR…

FLÔR – Foto Kika Domingues

Andas dum lado pro outro

Pela rua passeando;

Finges que não queres ver

Mas sempre me vais olhando.

É um olhar fugidio,

Olhar que dura um instante,

Mas deixa um rasto de estrelas

O doce olhar saltitante…

É esse rasto bendito

Que atraiçoa o teu olhar,

Pois é tão leve e fugaz

Que eu nem o sinto passar!

Quem tem uns olhos assim

E quer fingir o desdém,

Não pode nem um instante

Olhar os olhos d’alguém…

Por isso vai caminhando…

E se queres a muita gente

Demonstrar que me desprezas

Olha os meus olhos de frente!…

(Desdém-Florbela Espanca – O Livro D’Ele )

EMBRIAGUEZ NECESSÁRIA… Baudelaire

Kika Domingues – Foto: Cristiano Freitas

É necessário estar sempre bêbado.

Tudo se reduz a isso; eis o único problema.

Para não sentirdes o horrível fardo do Tempo,

que vos abate e vos faz pender para a terra,

é preciso que vos embriagueis sem cessar.

Mas de quê?

De vinho, de poesia ou de virtude, a vossa escolha.

Contanto que vos embriagueis.

E, se algumas vezes, nos degraus de um palácio,

na verde relva de um fosso,

na desolada solidão do vosso quarto,despertardes,

com a embriaguez já atenuada ou desaparecida,

perguntai ao vento, à onda, à estrela, ao pássaro,

ao relógio, a tudo o que foge,

a tudo o que geme, a tudo o que rola,

a tudo o que canta, a tudo o que fala,

perguntai-lhes que horas são;

e o vento, e a vaga, e a estrela, e o pássaro,e o relógio,

hão de vos responder: É hora de se embriagar!

Para não serdes os martirizados escravos do Tempo,

embriagai-vos; embriagai-vos sem tréguas!

De vinho, de poesia ou de virtude, a vossa escolha.

Baudelaire 

“Música, música… Mansa como último carinho…”

Eu velejava em você
Não finja
Como coisa que não me vê
E foges de mim

A boca tremia
Os olhos ardiam
Ó doce agonia
Ai dor de viver
De ver sua imagem
Que eu nunca via

Sua boca molhada
Seu olhar assanhado
Convite pra se perder
Minha alma cansada
Não faz cerimônia
Você pode entrar sem bater

pois eu já velejei em você
E foi bom doer
Mas foi como sempre um sonho
Tão longe, risonho
Sinto falta, queria lhe ver.

(Eu velejava em Você)

Eduardo Dusek

Na voz de Maria Betánia:

http://www.youtube.com/watch?v=moc5bZNyAr4&feature=related

Poesia é arte; a arte é poesia; o olhar “poetiza” as coisas…

Uma nota só faz um samba?

O Poeta beija tudo, graças a Deus. E aprende com as coisas a sua lição de sinceridade…
E diz assim: “É preciso saber olhar…”. E pode ser, em qualquer idade,
ingénuo como as crianças, entusiasta como os adolescentes e profundo como os homens
feitos. E levanta uma pedra escura e áspera para mostrar uma flor que está por detrás…
E perde tempo (ganha tempo…) a namorar uma ovelha… E comove-se com coisas de nada:
um pássaro que canta, uma mulher bonita que passou, uma menina que lhe sorriu,
um pai que olhou desvanecido para o filho pequenino, um bocadinho de Sol depois
de um dia chuvoso… E acha que tudo é importante… E pega no braço dos homens que
estavam tristes e vai passear com eles para o jardim… E reparou que os homens
estavam tristes… E escreveu uns versos que começam desta maneira: “O segredo é amar…”.

(Sebastião da Gama)