ROBERTO MENDES – OLHOS CANSADOS

A MELANCOLIA NA POESIA DE ROBERTO MENDES…

LINDA…

Asas que me querem levar pros cimos inalcançáveis do mundo

Algures do desalento nas noites imerecidas

Asas que não possuo, dos loucos e dos libertos.

Dos anjos inconformados de mãos postas, em súplica.

Trago nas palavras vestidas com o manto do não falado

Uma alegria prescrita no veio dos olhos baços

Asas de um corpo em pedaços, dos cultos secretos.

Asas que não possuo por muito peso que tenho

Os dias são como raízes e fincam dor nos meus olhos cansados

Olhos de máscara negra como a negra face do lago

Que abriga no fundo dos sonhos a triste poesia dos dias

Asas dos desalmados que seguem os passos do vento

Vento que varre os aromas,

Vento que varre os sorrisos

Vento que varre o desejo de ser um alado no mundo…

Conheça um pouco mais sobre este disco… ouça a suave voz de Roberto Mendes…

http://www.discosdobrasil.com.br/discosdobrasil/consulta/detalhe.php?Id_Disco=DI01542

mais sobre ROBERTO MENDES:

 http://www.atarde.com.br/jeitobaiano/?p=1064

http://www.noticentro.com.br/index.php?sec=noticias&funcao=vernoticia&id=6863

OLHE PARA TODOS AO SEU REDOR… Clarice Lispector

A Nossa Vitória de Cada Dia

Olhe para todos ao seu redor e veja o que temos feito de nós e a isso considerado vitória nossa de cada dia. Não temos amado, acima de todas as coisas. Não temos aceite o que não se entende porque não queremos passar por tolos. Temos amontoado coisas e seguranças por não nos termos um ao outro. Não temos nenhuma alegria que não tenha sido catalogada. Temos construído catedrais, e ficado do lado de fora pois as catedrais que nós mesmos construímos, tememos que sejam armadilhas. Não nos temos entregue a nós mesmos, pois isso seria o começo de uma vida larga e nós a tememos.

Temos evitado cair de joelhos diante do primeiro de nós que por amor diga: tens medo. Temos organizado associações e clubes sorridentes onde se serve com ou sem soda. Temos procurado nos salvar mas sem usar a palavra salvação para não nos envergonharmos de ser inocentes. Não temos usado a palavra amor para não termos de reconhecer a sua contextura de ódio, de amor, de ciúme e de tantos outros contraditórios. Temos mantido em segredo a nossa morte para tornar a nossa vida possível. Muitos de nós fazem arte por não saber como é a outra coisa. Temos disfarçado com falso amor a nossa indiferença, sabendo que nossa indiferença é angústia disfarçada. Temos disfarçado com o pequeno medo o grande medo maior e por isso nunca falamos no que realmente importa. Falar no que realmente importa é considerado uma gaffe.
Não temos adorado por termos a sensata mesquinhez de nos lembrarmos a tempo dos falsos deuses. Não temos sido puros e ingénuos para não rirmos de nós mesmos e para que no fim do dia possamos dizer «pelo menos não fui tolo» e assim não ficarmos perplexos antes de apagar a luz. Temos sorrido em público do que não sorriríamos quando ficássemos sozinhos. Temos chamado de fraqueza a nossa candura. Temo-nos temido um ao outro, acima de tudo. E a tudo isso consideramos a vitória nossa de cada dia.

Clarice Lispector, in ‘Uma Aprendizagem ou o Livro dos Prazeres’

 

ww.google.com

O OLHAR DE KIKA DOMINGUES – 5 ANOS

By Kika Domingues e Kika Domingues by amigos

Dia de deixar algo além do meu olhar, e dizer:

que este espaço nasceu por AMOR, e por AMOR ele continua…

Que aqui atravessei os oceanos e os vazios da minha alma e que,  apesar de tudo,

e principalmente do tempo, estou mais leve, mais forte, agradecida por tudo, SEMPRE!

Que penso que Olhar é aprender a ver além do que está a sua frente…

Que entendo que são os sentidos que alimentam a alma…

E, ai de nós, não fossem os poetas e os músicos… Ai de nós não fosse a música e a poesia.

Agradecer a Deus; aos poetas, músicos, fotógrafos…

 Aos artistas em todas as suas expressões (amadores ou não) por oferecer,

uma porta, uma janela, uma saída, um caminho por onde tento entender

 os mais profundos sentimentos da alma, nessa viagem interminável e sem fim,

através do meu simples e humilde olhar…

O OLHAR DE KIKA DOMINGUES.

AO MEU DOCE FANTASMA…

Christeamo Domingues, sábados, dias úteis e feriados.

Seu olhar comove montanhas.

Compartrilhar contigo é mais que divertido.

Você faz a minha cegueira de sol VIDA.

Nem gosto do meu silênciocioso refugio.

Combato palmas a tudo.

Esse mistédio que me cerca,

Quero que dilua no céu.

Vou colher girasorte cor de ouro

Para levitar a você.

Quero te escreVER de perto.

Recifiz meu desejo.

Agora deixo um beijogado

Nos teus labiosrintos.

(Gerson Wiech  17/03/2011)

Life in a Day – YouTube – VIDA DIGITAL – Notícia – VEJA.com

 

O documentário colaborativo Life in a Day,

 criado a partir de vídeos enviados por usuários do YouTube,

estreia nos Estados Unidos no dia 24 de julho.

viaDocumentário colaborativo produzido por usuários do YouTube estreia em julho nos Estados Unidos – Vida Digital – Notícia – VEJA.com.

 

 

 

OS POEMAS EM MIM…

 

 

Os poemas são pássaros
que chegam não se sabe de onde
e pousam no livro que lês.
Quando fechas o livro,
eles alçam vôo como de um alçapão.
Eles não têm pouso nem porto;
alimentam-se um instante
em cada par de mãos e partem.
E olhas, então, essas tuas mãos vazias,
no maravilhado espanto de saberes
que o alimento deles já estava em ti…

Mário Quintana

 

 

SEU AMOR É UM OCEANO… SHEILA CHANDRA – EVER SO LONELY

 

 

Sheila Chandra (Londres, 14 de abril de 1965) é uma cantora pop britânica com ascendência Indiana.

Quando adolescente ela formou a banda Monsoon junto de Steve Coe (que se tornou o produtor da banda),

 e de Martin Smith. Monsoon criava uma fusão entre o pop ocidental e a música popular Indiana,

leia mais…  http://pt.wikipedia.org/wiki/Sheila_Chandra

 

 

 

http://www.sheilachandra.com/

 

 

 

SOPRA DEMAIS O VENTO… Fernando Pessoa

Sopra demais o vento
Para eu poder descansar
Há no meu pensamento
Qualquer coisa que vai parar

Talvez esta coisa da alma
Que acha real a vida
Talvez esta coisa calma
Que me faz a alma vivida

Sopra um vento excessivo
Tenho medo de pensar
O meu mistério eu avivo
Se me perco a meditar

Vento que passa e esquece
Poeira que se ergue e cai
Ai de mim se eu pudesse
Saber o que em mim vai!

sobre a poesia de Fernando Pessoa e seus poemas
musicados por Jardel Caetano clique:
 http://www.youtube.com/watch?v=g8XxuOiNZrA&feature=related
 http://www.myspace.com/jardelcaetano
mais sobre Jardel neste BLOG:

DESEJO E MEDO…

Klimt

 

Entre mim e ti,
esse espaço de tempo em malha elétrica,
esse interregno de distância onde cabem
um passo e todas as possibilidades.
Meus olhos te estendem os braços,
ainda que eu disfarce a vontade do corpo
num emaranhado de desejo e medo.
Espero teus lábios, tuas mãos,
o passo e as possibilidades.
E o emaranhado elétrico do teu desejo no meu.

(Ticcia)

 

 

NOSSA ALMA CANTA – é preciso perdoar… Demais esse arranjo…

 

 

 “Nossa Alma Canta é o nome do projeto da banda que nasceu em 1998 em Veneza (Itália). É o resultado do encontro entre pessoas que amam bossa nova, música e cultura brasileira; que tentou fazer música a partir deste DNA.  Durante todos esses anos nós desenvolvemos nossa linguagem e nosso estilo, sem compromisso, selfproducing e experimentando nova forma de fazer música. Aqui estão os resultados”

Tradução:

http://gallery.djinngo.com/gallery/index.html

&

Fonte:

http://www.nossaalma.it/

 ouça também:

http://www.youtube.com/watch?v=f-I2HLBZYlE

http://www.youtube.com/watch?v=lXadYCJykuE&feature=related

http://www.youtube.com/watch?v=FweSqYgS8LQ&feature=related

 

SABIÁ – MAIS Chico,Tom, Sakamoto & Morelembaums, mais tudo…

 

 

Como algo pode ser tão tocante, penetrante… Tão profunda…

Tão irresistivelmente melancólica e bela…

Como a música… 

 

 

 

 

google.com

 

  mais emoção:

http://www.youtube.com/watch?v=U9epAdaRXCk

http://www.youtube.com/watch?v=DWHopc4xxnM&feature=fvwrel

http://www.youtube.com/watch?v=GKIhg5gAFLo&feature=related

 http://www.youtube.com/watch?v=lhsXWXzh4ow&feature=related

 

 

Sábio Fábio…

the_birds_and_the_bees_by_transientsmile.jpg - deviantart.com

 

Ainda bem que o tempo passa! Já imaginou o desespero que tomaria conta de nós se tivéssemos que suportar uma segunda feira eterna? A beleza de cada dia só existe porque não é duradoura. Tudo o que é belo não pode ser aprisionado, porque aprisionar a beleza é uma forma de desintegrar a sua essência. Dizem que havia uma menina que se maravilhava todas as manhãs com a presença de um pássaro encantado. Ele pousava em sua janela e a presenteava com um canto que não durava mais que cinco minutos. A beleza era tão intensa que o canto a alimentava pelo resto do dia. Certa vez, ela resolveu armar uma armadilha para o pássaro encantado. Quando ele chegou, ela o capturou e o deixou preso na gaiola para que pudesse ouvir por mais tempo o seu canto. O grande problema é que a gaiola o entristeceu, e triste, deixou de cantar. Foi então que a menina descobriu que, o canto do pássaro só existia, porque ele era livre. O encanto estava justamente no fato de não o possuir. Livre, ele conseguia derramar na janela do quarto, a parcela de encanto que seria necessário, para que a menina pudesse suportar a vida. O encanto alivia a existência…Aprisionado, ela o possuia, mas não recebia dele o que ela considerava ser a sua maior riqueza: o canto! Fico pensando que nem sempre sabemos recolher só encanto… Por vezes, insistimos em capturar o encantador, e então o matamos de tristeza. Amar talvez seja isso: Ficar ao lado, mas sem possuir. Viver também. Precisamos descobrir, que há um encanto nosso de cada dia que só poderá ser descoberto, à medida em que nos empenharmos em não reter a vida. Viver é exercício de desprendimento. É aventura de deixar que o tempo leve o que é dele, e que fique só o necessário para continuarmos as novas descobertas. Há uma beleza escondida nas passagens… Vida antiga que se desdobra em novidades. Coisas velhas que se revestem de frescor. Basta que retiremos os obstáculos da passagem. Deixar a vida seguir. Não há tristeza que mereça ser eterna. Nem felicidade. Talvez seja por isso que o verbo dividir nos ajude tanto no momento em que precisamos entender o sentimento da tristeza e da alegria. Eles só são suportáveis à medida em que os dividimos… E enquanto dividimos, eles passam, assim como tudo precisa passar. Não se prenda ao acontecimento que agora parece ser definitivo. O tempo está passando… Uma redenção está sendo nutrida nessa hora… Abra os olhos. Há encantos escondidos por toda parte. Presta atenção. São miúdos, mas constantes. Olhe para a janela de sua vida e perceba o pássaro encantado na sua história. Escute o que ele canta, mas não caia na tentação de querê-lo o tempo todo só pra você. Ele só é encantado porque você não o possui. E nisto consiste a beleza desse instante: o tempo está passando, mas o encanto que você pode recolher será o suficiente para esperar até amanhã, quando o passaro encantado, quando você menos imaginar, voltar a pousar na sua janela.

Padre Fábio de Melo

 

 

Estamos sós, laçados em dois nós…

 

 TADEU FRANCO – Nós Dois

 

Nós Dois

Tadeu Franco

Composição : Celso Adolfo

E nós que nem sabemos quanto nos queremos
Que nem sabemos tudo que queremos
Como é difícil o desejo de amar

Você que nem me soube quanto eu quis
Que não coube, não me viu raiz
Nascendo, crescendo nos terrenos seus

Eu da janela olhando a lua, perguntando a lua
Onde você foi amar?

E nós que nem soubemos nos querer de vez
Estamos sós, laçados em dois nós
Um que é meu beijo o outro é o lábio seu

Não sei sair cantando sem contar você
Que eu sei cantar, mas conto com você
Que eu vou seguir, mas vou seguir você

Queria que assim sabendo se a gente se quer
Queria me rimar no seu colo mulher
Vencer a vida donde ela vier

Ganhar seu
Chegar no chegar meu
Dar de mim o homem que é seu…

 

 

Porque estou sempre a querer entender o amor…

 

 

deviantart.com

 

O AMOR INCONDICIONAL

O amor verdadeiro é livre, livre do ego, da vaidade, de querer atender a si mesmo. É altruísta. Pensa no outro antes de si mesmo. E coloca toda a sua atenção naquilo que ama. Sem apego! É todo ouvido, todo coração, braços e mãos, pernas e pés. É todo olhos; sentidos. É inteiro naquilo que é. O amor incondicional se entrega, não conhece o medo. Se este se aproxima, anula-o em função de algo maior.

O amor é coragem, é a força que anima a alma. O amor é alegria e não cansaço! O amor verdadeiro não conhece a palavra meu, porque entende que o outro é um ser individual e que somente entrando em seu coração, pode compreender e partilhar. O amor não é o que é por expectativas. Não é temporal. É permanência, fluidez. Não conhece a culpa. Conhece a desculpa, o perdão. Porque é livre de julgamentos e condenação. Aproxima, ao invés de afastar. Fala baixo, ao invés de gritar. Porque a nada e a ninguém quer impor-se. O amor incondicional é mais ouvidos do que verbo. É mais gestos que palavras.

O amor vai onde a necessidade está, onde há o vazio. Não escolhe, por vezes, aquilo que agrada a si mesmo, mas onde é útil o seu coração. Sabe que os excessos são prejudiciais e conhece as medidas certas de se doar, sem invadir o outro. O amor incondicional transforma. É príncipe da tolerância e do respeito, guerreiro sem armas de fogo, força da suavidade e compaixão honesta, caridade profunda. Vai além de seus próprios problemas, porque reconhece que os outros também os têm.

Questione-se de suas expectativas mediante aqueles que você diz amar; se você os ama somente quando o agradam; se você é capaz de amar quando ninguém é capaz de fazer o mesmo. Pergunte-se se você é capaz de ser luz na escuridão, de sorrir quando o outro é agressividade; se sabe respeitar o livre arbítrio alheio, e não somente o seu e se é capaz de não impor a sua verdade e compreender a verdade alheia. Será que você é capaz de entrar no coração de seu filho, irmão, companheiro ou companheira, amigo ou patrão ou vizinho? Você se permite conhecer um desconhecido ou então conhecer a fundo aqueles a quem acha que já conhece há tempos? É capaz de olhar além das aparências e do superficial e se deixar enxergar o que somente o coração é capaz? Será que é capaz de deixar de aleijar as pessoas que ama e ajudá-las a aprenderem a andar?

Pergunte-se se é capaz de compreender que se desapegando daqueles que ama você caminha lado a lado com eles. Você os olha na mesma altura dos olhos. Você os sente com a mesma batida do coração. Perceba que você não é menos ou mais do que aqueles que o geraram, de que você não é menos ou mais do que aqueles que o contrataram. Deixe de lado suas pobres expectativas ou suas frustrações, ou suas ilusões

Experimente somente estar presente. Sentir, ao invés de rotular a si e ao outro Experimentar o amor ao invés da lamentação. Ser grato por tudo o que é por tudo o que agora lhe serve. Experimente as dimensões de seu coração em sua totalidade! Quem acha fazer um favor (condicional) oferece um empréstimo. Quem ama incondicionalmente faz uma doação.

Fernanda Lopes de Luzia

Especialidade: Terapeuta especializada em qualidade de vida

http://www.minhavida.com.br/conteudo/10326-reflexao-sobre-o-amor-incondicional.htm

 

 

Ficando “ZEN”…

By Kika Domingues

Muitas vezes dizemos a nós mesmos,

 ” Não fique aí sentado, faça alguma coisa!”.

Quando praticamos a plena consciência, porém ,

descobrimos que o contrário pode ainda ser mais valioso:

 “Não fique aí fazendo alguma coisa. Sente-se!”.

Precisamos aprender a parar de vez

em quando a fim de ver com nitidez.

A princípio, “parar” pode parecer

uma “resistência à vida moderna”,

 mas não se trata disso.

“Parar” não é só uma reação; é um estilo de vida.

A sobrevivência da humanidade depende

de nossa cpacidade de desacelerar.

Temos mais de 50.000 bombas atômicas e, mesmo assim,

não conseguimos parar de fabricar mais.

 “Parar” não significa um basta ao que é negativo,

 mas também permitir que se realize uma cura positiva.

É esse o propósito da nossa prática-não evitar a vida,

mas experimentar e comprovar que a felicidade

é possível agora e também no futuro.

http://interserblog.blogspot.com/