Sonho de Amor…

 

Cá entre nós, é um tanto atrevido supor a mim mesmo

capaz de atravessar — mentalmente, dormindo ou acordado —

 todo esse espaço que nos separa e, de alguma forma que não compreendo,

penetrar nessa região onde acontecem os seus sonhos

para criar alguma situação onde, no fundo da sua mente,

eu passasse a ter alguma espécie de existência.

 

(Caio Fernando Abreu – Por trás da vidraça, in: Pequenas Epifanias)